Dicas

#estilodavez: Belgian Tripel

Vamos começar um novo “quadro” aqui no blog, vamos falar sobre alguns estilos, contando um pouco sobre sua história, comentando suas principais características e dando dicas de produção.

História

O surgimento do estilo é atribuido à cervejaria Drie Linden com a cerveja então chamada Witkap Pater [1][2][3]. Em 1934 a Abadia de Westmalle da Bélgica lança uma cerveja clara, com 9,5% de teor alcoólico e assim nasceu o estilo.

A Westmalle Tripel é até hoje tida como uma das principais Tripels do mundo e sua receita permanece a mesma desde a 1956 quando o Irmão Thomas alterou ligeiramente a receita original adicionando mais lúpulo e alterou o nome da cerveja para Westmalle Tripel, surgindo assim o nome do estilo.

Uma curiosidade sobre o estilo é que a maioria (a única exceção é a Chimay) das cervejarias Trapistas que produzem o estilo só vendem ele em garrafas, pois afirmam que a refermentação na garrafa adiciona a complexidade final desejada para a cerveja.

Principais características

É uma cerveja clara, de denso colarinho e intensa carbonatação. Na boca tem amargor médio, mas embora deva ser uma cerveja seca, um certo dulçor residual é adequado, o corpo deve ser médio.

A principal característica de uma Tripel é o fenólico e sabor de álcool, é o estilo com maior intensidade fenólica, sendo principalmente de noz moscada e pimenta preta embora uma leve nota de cravo seja aceitável. Um frutado médio também é comum e geralmente é cítrico podendo apresentar uma sutil nota de banana. O uso de especiarias como semente de coentro é comum. O aroma e sabor de lúpulo deve ser baixo, mas podem ser perceptíveis, geralmente floral ou condimentado. Sabor de álcool é obrigatório, mas não deve ser agressivo.

Deve ser uma cerveja clara, complexa, fenólica e com álcool perceptível mas com surpreendente drinkability… um perigo!

Dicas de produçao

A base clássica é de malte pilsen, geralmente 80%, com o resto sendo de fontes de açúcares fermentescíveis como açúcar de mesa ou candi sugar, com isso a cerveja fica alcoólica mas com corpo mais leve, aumentando o drinkability.

Adição de mais alguns tipos de malte, claros, como munique, vienna, malte de trigo, ou até mesmo um pouco de malte caramelo claro como carapils, ou carahell podem adicionar complexidade.

A lupulagem é de lúpulos europeus, mais classicamente alemães ou checos, como Saaz, Perle, Hersbrucker, Mittelfruh, etc., buscando um amargor médio. Adições de lúpulo de aroma e sabor são bem vindas, mas não devem dominar.

A escolha da levedura é essencial, deve ser uma cepa de alta atenuação e de produção de fenóis de média intensidade. No Beco do Malte temos a excelente Belgian Tripel da Mangrove Jacks. Não tem segredo na temperatura, fermente a 21º, não há necessidade de elevar a temperatura, mas você pode brincar com isso e fazer seus testes, dando seu toque à cerveja.

Recomendo deixar em temperatura de fermentação por cerca de 10 dias, depois pode baixar 0º por 5 a 10 dias e engarrafar, deixe maturando na garrafa, pode ser em temperatura ambiente, mas de preferência em temperatura de adega (12º) por cerca de 3 semanas a 1 mês. A sua paciência será recompensada.

E aí, gostam do estilo? Sugestões e dúvidas são bem vindas!

Saúde…



[1] http://www.beerhunter.com/documents/19133-000791.html

[2] Hieronymus, Stan; Hieronymus, Stan; Hieronymus, Stan. Brew Like a Monk: Trappist, Abbey, and Strong Belgian Ales and How to Brew Them (p. 71). Brewers Publications. Edição do Kindle.

[3]
https://beerandbrewing.com/dictionary/JoAQxZRR15/

2 thoughts on “#estilodavez: Belgian Tripel”

  1. Além da Belgian Tripel da Mangrove, que outras leveduras secas ficam boas para uma Tripel? Dária pra fazer com a Belgian Abbey ou Belgian Ale da Mangrove também? Ou alguma da Fermentis?

    1. Boa tarde, Filipe.

      Então, os fermentos Abbey, como o BE-256 (que pode ser encontrado aquiaqui) da Fermentis. Dá até para fazer experiências com blends de fermentos. O que você tem que ter em mente é o perfil de ésteres e fenóis, sendo os ésteres predominantemente cítricos, enquanto os fenóis devem ter intensidade moderada, podendo até mesmo serem mais aparentes que os ésteres. As percepção de álcool também é uma característica definidora do estilo, o sabor do álcool tem que aparecer, mas não pode ser “quente”. Com essas características em mente, você pode brincar com blend de fermentos, ou simplesmente usar um Abbey, ou o Belgian Tripel da Mangrove.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *